Ficha Unidade Curricular (FUC)

Informação Geral / General Information


Código :
01729
Acrónimo :
01729
Ciclo :
2.º ciclo
Línguas de Ensino :
Português (pt)
Língua(s) amigável(eis) :
Inglês, Português

Carga Horária / Course Load


Semestre :
2
Créditos ECTS :
6.0
Aula Teórica (T) :
0.0h/sem
Aula Teórico-Prática (TP) :
20.0h/sem
Aula Prática e Laboratorial (PL) :
0.0h/sem
Trabalho de Campo (TC) :
0.0h/sem
Seminario (S) :
0.0h/sem
Estágio (E) :
0.0h/sem
Orientação Tutorial (OT) :
1.0h/sem
Outras (O) :
0.0h/sem
Horas de Contacto :
21.0h/sem
Trabalho Autónomo :
129.0
Horas de Trabalho Total :
150.0h/sem

Área científica / Scientific area


Ciências e Tecnologias da Informação

Departamento / Department


Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação

Ano letivo / Execution Year


2024/2025

Pré-requisitos / Pre-Requisites


Esta unidade curricular não tem pré-requisito

Objetivos Gerais / Objectives


O curso proporciona aos alunos um conjunto essencial de instrumentos, conceitos e métodos para a análise das transformações sociais e políticas ancoradas nas novas formas digitais de participação política e social dos cidadãos. Os/as estudantes irão explorar e compreender o impacto, vantagens e problemáticas associadas à crescente simbiose entre ICT e diferentes esferas, como instituições políticas e de governance, construção da identidade coletiva, mobilização política, associativismo, esfera pública. Entre os objetivos, um lugar relevante terá a compreensão crítica da relação entre desenho das plataformas e qualidade da participação, das potenciais disegualdades na participação online e na fruição e produção de conteúdos políticos digitais, assim como das implicações da Intelligência Artificial na política e a sua regulamentação (e.g., EU EUI Act).

Objetivos de Aprendizagem e a sua compatibilidade com o método de ensino (conhecimentos, aptidões e competências a desenvolver pelos estudantes) / Learning outcomes


OA1: Compreender conceitos essenciais na análise política na era digital OA2: Assimilar um conhecimento básico dos processos e momentos chaves da digitalização da política OA3: Identificar e analisar os principais desafios, oportunidades e riscos da digitalização da política e da esfera pública OA4: Avaliar as implicações do desenvolvimento da IA na política OA5: Analisar os processos de regulamentação e de governança do digital e da IA a nível nacional e supranacional OA6: Explorar e aplicar diferentes metodologias de estudo da política na era digital. OA7: Desenvolver um olhar crítico e rigoroso para com os processos digitais que envolvem a política na contemporaneidade.

Conteúdos Programáticos / Syllabus


1. 'Participação política', instituições e governança 2. e-participação, e-governança e e-democracia 3. 'Ativismo digital' 4. 'Policing protest na era digital' (novas tecnologias no controle policial do conflito e da ordem pública) 5. ‘Partidos digitais e populismo’ 6. ‘O desenho digital da democracia e da participação’ 7. 'Cidadania digital e democracia digital' (Esfera pública e esfera pública digital) 8. ‘O impato da IA na política e as políticas de regulamentação da IA’ 9. ‘A fruição e produção de conteúdos políticos digitais e as potenciais desigualdades’ 10. Estudar a participação política na era digital

Demonstração da coerência das metodologias de ensino e avaliação com os objetivos de aprendizagem da UC / Evidence that the teaching and assessment methodologies are appropriate for the learning outcomes


1. 'Participação política', instituições e governança (OA1, OA2, OA3, OA4, OA5, OA7) 2. ‘E-participação, e-governança e e-democracia’ (OA1, OA2, OA3, OA6, OA7) 3. 'Ativismo digital’ (OA1, OA2, OA3, AO4, OA6, OA7) 4. 'Policing protest na era digital' (novas tecnologias no controle policial do conflito e da ordem pública) (OA1, OA2, OA3, OA4, OA6) 5. ‘Partidos digitais e populismo’ (OA1, OA2, OA3, OA4, OA6, OA7) 6. ‘O desenho digital da democracia e da participação’ (OA1, OA2, OA3, OA4, OA6, OA7) 7. 'Cidadania digital e democracia digital' (Esfera pública e esfera pública digital) (OA1, OA2, OA3, OA4, OA5, OA6, OA7) 8. ‘O impato da IA na política e as políticas de regulamentação da IA’ (OA3, OA4, OA5, OA6) 9. ‘A fruição e produção de conteúdos políticos digitais e as potenciais desigualdades’ (OA3, OA4, OA6) 10. Estudar a participação política na era digital (OA1, OA6, OA7)

Avaliação / Assessment


AVALIAO AO LONGO DO SEMESTRE - Cada semana um ou mais grupos de estudantes apresentam um trabalho que pode ser: um pequeno projeto de rede social de um movimento social ou outro ator político; uma chamada de manifestação online; criação/invenção de um grupo ativista online ou de um novo partido; uma breve etnografia digital, discussão crítica de um texto, análise de um evento, etc. (40% da nota final) - Na última aula é realizado um trabalho escrito. Os alunos podem escolher entre duas modalidades: teste sobre a matéria tratada durante as aulas ou breve ensaio sobre um tópico específico. Neste último caso os estudantes devem referir pelos menos 3 textos que constam da bibliografia (o tópico do breve ensaio é sugerido pela professora). (60% da nota final) AVALIAÇÃO POR EXAME (1ª época, 2ª época, época especial) Ensaio sobre mínimo 6 leituras da bibliografia: 100% da nota final. Para aprovação numa unidade curricular, o estudante deve obter uma classificação final mínima de 10 valores

Metodologias de Ensino / Teaching methodologies


As metodologias de ensino foram selecionadas de forma a corresponder aos objetivos de aprendizagem da UC. Através de uma combinação de momentos teóricos e momentos práticos, os estudantes irão realizar tarefas com diferentes níveis de apoio e orientação docente, analisar vários casos de estudo, aplicar conhecimentos e desenvolver competências de resolução de problemas e pensamento crítico. A docente dará feedback sobre as tarefas e estudos de caso. Esta abordagem permitirá que os estudantes estabeleçam conexões entre os conhecimentos teóricos e práticos, melhorando a compreensão e a aplicação dos conceitos aprendidos. Considerando o nível pós-graduado da UC Media e Participação, na metodologia de ensino serão integradas três dimensões essenciais: research informed teaching-learning, interação, criação de conteúdos cientificamente relevantes. Os/as estudantes chegarão a um nível de conhecimento sólido na área através de várias fases como aprendizagem, experimentação, criação. O diálogo e a partilha entre estudantes e estudantes e professor/a será uma componente essencial da UC, com os/as estudantes também chamados a assumir tarefas coordenadoras e pró-ativas na mesma. Esta abordagem pedagógica está articulada com o modelo pedagógico do Iscte porque o estudante é considerado um agente ativo no seu processo de aprendizagem, o conhecimento é trabalhado como uma ferramenta para a construção e desenvolvimento de mais conhecimento e aplicado em diversos contextos. 

Demonstração da coerência das metodologias de ensino e avaliação com os objetivos de aprendizagem da UC / Evidence that the teaching and assessment methodologies are appropriate for the learning outcomes


O desenho e as metodologias de ensino foram planeadas em estrito diálogo com os objetivos de aprendizagem da UC, a nível quer teórico quer empírico A interligação de momentos de aprendizagem online síncrona e assíncrona acompanhará os/as estudantes num percurso didático através de tarefas que envolvem diferentes níveis de interação com o/a docente e os/as colegas. Graças a este percurso por fases, os/as estudantes irão desenvolver um aprofundado conhecimento dos conceitos, teorias, instrumentos e debates sobre a política na era digital. Ao mesmo tempo, eles/elas irão amadurecendo competências sólidas para a análise aplicada à realidade (e.g., através estudos de caso) e para a avaliação das potencialidades e problemas/riscos da digitalização do mundo político e social. A motivação dos estudantes será sustentada através da promoção da constante interação quer entre eles/elas quer entre eles/elas e o/a docente. Em alguns contextos, os/as estudantes serão convidados a assumir um papel coordenador nas atividades (por exemplo, como animadores e moderadores de fóruns, como comentadores de trabalhos de colegas, como colaboradores na gestão e criação do conteúdo de ensino). Exercícios interativos – como por exemplo inventar e criar uma chamada de manifestação online – são também planeados, de forma a integrar a experiência pessoal e os interesses dos/das estudantes no desenvolvimento da aprendizagem.

Observações / Observations


.

Bibliografia Principal / Main Bibliography


Beissinger, M. 2017 'Conventional and 'Virtual Civil Societies in Autocratic Regimes, Comparative Politics 49(3): 351-371 Casteltrione, I. and M. Pieczka. 2019. 'Mediating the contributions of Facebook to political participation in Italy and the UK', Palgrave Communications 4(1): 56-56 Chiarini and S. Evans. 2019. 'Empowering political participation through artificial intelligence', Science and Public Policy 46(3): 369-380 Dalton, R, and H. Klingemann. 2007. The Oxford Handbook of Political Behavior, Oxford: OUP Edwards, Lilian. 2022. The EU AI Act: a summary of its significance and scope, Disponível online Hennen, L. et al. 2020. European E-Democracy in Practice, NYC: Springer. McIlwain, C. 2020. Black Software. The Internet & Racial Justice, from the AfroNet to Black Lives Matter. Oxford: Oxford University Press Teocharis, Y., et al 2019. 'Digitally Networked Participation and Lifestyle Politics as New Modes of Political Participation', Policy and Internet 13(1): 30-53

Bibliografia Secundária / Secondary Bibliography


Accornero Guya and Pedro Ramos Pinto. 2015. '"Mild Mannered?" Protest and Mobilisation in Portugal under Austerity, 2010-2013'. West European Politics 38 (3): 491-515. Accornero, G. 2017. ‘The Mediation of the Portuguese Anti-Austerity Protest Cycle. Media Coverage and its Impact’, in Media Representations of Anti-Austerity Protests in the EU: Grievances, Identities and Agency, ed. by Tao Papaioannou and Suman Gupta. Abingdon: Routledge, pp. 165-188 Accornero, Guya, and O. Fillieule. 2016. ‘So many as the stars of the sky in multitude, and as the sand which is by the sea shore innumerable’, in Social Movement Studies in Europe. The State of the Art, ed. by Olivier Fillieule and Guya Accornero. Oxford/New York, Berghahn, pp. 1-18 Adut, A. 2012. A Theory of the Public Sphere, Sociological Theory 30(4) 238262 Bosi, L. and L. Zamponi. 2015. ‘Direct Social Actions And Economic Crises. The Relationship Between Forms Of Action And Socio- Economic Context In Italy’, Partecipazione e Conflitto 8(2): 367-391. Brooker, P. et al. 2018. ‘Researching with Twitter timeline data: A demonstration via everyday sociopolitical talk around welfare provision’, Big Data & Society 113 Cardoso, G. et al. 2017. ‘Social Movements, participation and crisis in Europe’, in Europe’s crisis, ed. by Manuel Castells, Olivier Bouin, Joao Caraca, Gustavo Cardoso, John Thompson and Michel Wieviorka. Cambridge: Polity Press, pp. 405-427 Choi, M. 2016. ‘A Concept Analysis of Digital Citizenship for Democratic Citizenship Education in the Internet Age’, Theory & Research in Social Education 44(4): 565-607. Colebatch, H.K. 2014. ‘Making Sense of Governance’, Policy and Society 33(4): 307-316 De Blasio, E. and M. Sorice. 2018. ‘Populism between direct democracy and the technological myth’, Palgrave Communication 4(15): 1-11. Della Porta, D. 2015. Social movements in times of austerity : bringing capitalism back into protest analysis, Hoboken: Wiley, chapter 4-5. Della Porta, D. and M. Diani. Social Movements. An Introduction. Hoboken: Wiley, pp. 93-121, pp. 164-191, pp. 194-218. Dencik, L., A. Hintz, and Z. Carey. 2018. ‘Prediction, pre-emption and limits to dissent: Social media and big data uses for policing protests in the United Kingdom’, New Media & Society 20 (4): 14331450 Dolata, U. and J.F. Schrape. 2016. ‘Masses, Crowds, Communities, Movements: Collective Action in the Internet Age’, Social Movement Studies 15(1): 1-18 Earl, J. and Kimport, K. 2013. Digitally Enabled Social Change. Activism in the Internet Age. Cambridge Massachusetts: MIT, Intro and chater 2. Fillieule, O. 2015. ‘Demobilization and Disengagement in a Life Course Perspective’, in The Oxford Handbook of Social Movements, Oxford, Oxford University Press: 277-288. Gerbaudo, P. 2017. ‘The indignant citizen: anti-austerity movements in southern Europe and the anti-oligarchic reclaiming of citizenship’, Social Movement Studies 16(1): 36-50 Gerbaudo, P. 2018. ‘Social media and populism: an elective affinity’, Media, Culture & Society 40(5): 745-753. Govil, N. and A.K. Baishya. 2018. ‘The Bully in the Pulpit: Autocracy, Digital Social Media, and Right-wing Populist Technoculture’, Communication Culture & Critique 11: 67-84. Habermas, J. 1995. ‘Três modelos normativos de democracia’, Lua Nova 36: 39-53. Hale, S.A et. al. 2018. ‘How digital design shapes political participation: A natural experiment with social information’, PLoS ONE 13(4): e0196068. Halupka, M. 2016. ‘Dont knock clicktivism: it represents the political participation aspirations of the modern citizen, DemocraticAudit; and Clicktivism: A Systematic Heuristic’, Policy and Internet 6(2): 115-132 Hupe, P. and A. Edwards, 2012. ‘The accountability of power: Democracy and governance in modern times’, European Political Science Review 4(2): 177194 Jasper, James, and Jan Duyvendak. 2015. Breaking Down the State. Protestors Engaged with Authorities. Amsterdam: Amsterdam University Press, chapters Introduction and 4. Joyce, M. ed. 2010. Digital Activism Decoded. The New Mechanics of Change. NYC: International Debate Education Association. Kaase, M. 2007. ‘Perspectives on Political Participation’, in The Oxford Handbook of Political Behavior, edited by Russell J. Dalton and Hans Dieter Klingemann. Oxford: Oxford University Press. Klein, A. 2015. ‘Vigilante Media: Unveiling Anonymous and the Hacktivist Persona in the Global Press’, Communication Monographs 82(3): 379-401. Koopmans, R. 2007. ‘Social Movements’, in The Oxford Handbook of Political Behavior, edited by R. J. Dalton and H.D. Klingemann. Oxford: OUP. Kriesi, Hanspeter and Takkis Papas. 2015. Populism in the Shadow of the Great Recession, Colchester: ECPR Press (chap. 10-11) Lane, J. 2016. ‘The Digital Street: An Ethnographic Study of Networked Street Life in Harlem’, American Behavioral Scientist 60(1) 43 58 Lindquist, E. and I. Huse, 2017. ‘Accountability and monitoring government in the digital era: Promise, realism and research for digital-era governance’, Canadian Public Administration 60(4): 627-656. Luhtakallio, E. and N. Eliasoph. 2014. ‘Ethnography of Politics and Political Communication: Studies in Sociology and Political Science’, The Oxford Handbook of Political Communication, Edited by Kate Kenski and Kathleen Hall Jamieson, pp. 1-11. McDonald, K. 2015. ‘From Indymedia to Anonymous: rethinking action and identity in digital cultures’, Information, Communication & Society 18(8): 968-928. Parvin, P. 2018. ‘Democracy Without Participation: A New Politics for a Disengaged Era’, Res Publica 24: 31-52 Pink, S. et al. 2016. Digital Ethnography. Principles and Preactice. Thousand Oaks: SAGE. Poell, T. 2019. ‘Social media, temporality, and the legitimacy of protest’, Social Movement Studies, DOI: 10.1080/14742837.2019.1605287 Sassen, S. 1996. Losing Control Sovereignty in an Age of Globalization, Intro of Losing Control: Sovereignty in an Age of Globalization, NYC: Columbia University Press. Savaget, P., T. Chiarini and S. Evans. 2019. ‘Empowering political participation through artificial intelligence’, Science and Public Policy 46(3): 369380 Schäfer, M. 2015. ‘Digital Public Sphere’, in Mazzoleni, Gianpietro et al. (2015, Eds.): The International Encyclopedia of Political Communication. London: Wiley Blackwell. Pp. 322-328. Schroeder, R. 2018. ‘Digital media and the rise of right-wing populism’, in Social Theory after the Internet. Media, Technology, and Globalization. London: UCL Press, pp. 60-81 (full book available here: https://discovery.ucl.ac.uk/id/eprint/10040801/1/Social-Theory- after-the-Internet.pdf) Tarrow, S. 2011. Power in Movement. Social Movements and Contentious Politics. Cambridge: Cambridge University Press, pp.1-29; pp. 196-2014 Torcal, M. 2014. ‘The Decline of Political Trust in Spain and Portugal: Economic Performance or Political Responsiveness’, American Behavioral Scientist 58(12): 1542-1567 Trmayne, M. 2014. ‘Anatomy of Protest in the Digital Era: A Network Analysis of Twitter and Occupy Wall Street’, Social Movement Studies 13(1): 110-126. Vicari, S. 2013. ‘Public reasoning around social contention: A case study of Twitter use in the Italian mobilization for global change’, Current Sociology 61(4) 474490 Waisbord, S. and A. Amado. 2017. ‘Populist communication by digital means: presidential Twitter in Latin America, Information’, Communication & Society 20(9): 1330-1346.

Data da última atualização / Last Update Date


2024-07-18